«Voltar

LAÇOS DE FRATERNIDADE UNEM ANGOLA À PORTUGAL

Quem o diz é Marcelo Rebelo de Sousa, Presidente da República Portuguesa, que reconhece que angolanos e portugueses estão unidos por laços de fraternidade que não se esgotam.

"Nós estamos condenados a sermos irmãos e mais vale assumirmos que o somos e desta inspiradora inevitabilidade retirarmos todos os proveitos para os nossos povos do que teimarmos em negarmos uma realidade irremovível. Sim, porque essa fraternidade nunca desaparecerá", Marcelo Rebelo de Sousa falava aos deputados à Assembleia Nacional, em nome do povo português, na sessão solene realizada hoje em sua honra.

Foi também em nome da “inevitável” fraternidade, que o estadista luso reafirmou a vontade de renovação permanente das relações de cooperação entre os dois Estados. Fraternidade, que de acordo com Marcelo Rebelo de Sousa, “reconhece o que devemos e podemos fazer para mais laços financeiros, económicos e sociais, na busca de maior felicidade para os nossos povos”.

Ainda sob o condão da fraternidade foi justificado os pontos de interesse dos dois países, que apesar da diversidade de visões tendem naturalmente a confluir, por ambos quererem “um mundo mais justo, mais pacífico, mais dialogante, mais respeitador de um direito internacional dos direitos humanos, mais multilateral, mais atento as alterações climáticas e a justiça entre gerações”, fez saber o Chefe de Estado Português.

Durante o seu discurso, no dia em que iniciou oficialmente a visita de Estado de quatro dias a Angola, Marcelo Rebelo de Sousa destacou os desafios da Nação, “uma potência a emergir, no caminho da vivência democrática e no combate pela justiça e a transparência”. Sem, porém, deixar de reconhecer “o peso geoestratégico regional, continental e universal”, de uma pátria que Portugal deseja ver bem representada nas Nações Unidas, na Organização para as Migrações, na União Europeia e na Zona do Euro. O seu país quer, por isso, constituir-se no principal parceiro do Estado angolano e participar na construção do desenvolvimento sustentável e da coesão social.

 

CONDECORAÇÃO COM A ORDEM AGOSTINHO NETO

O Presidente da República de Portugal mostrou ainda gratidão pela “colorosa” recepção, que trouxe também hoje o seu homólogo angolano, João Lourenço, a Assembleia Nacional.  

“Gratidão pela honra que representa aqui vir e aqui falar em nome do povo português, ainda mais em sessão solene prestigiada por sua excelência João Lourenço, o Presidente da República de Angola”, cujo momento foi considerado “singular” por Marcelo Rebelo de Sousa, que cumpre até ao próximo dia 09 de Março uma extensa agenda de trabalho, que incluí deslocações às províncias da Huíla e de Benguela, onde terá contacto com a comunidade portuguesa, ai residente.

Angola e Portugal assinaram 35 instrumentos de cooperação, desde Setembro último (2018), data em o primeiro-ministro português, António Costa, visitou o nosso país, sucedida pela visita de Estado de João Lourenço a Portugal, em Novembro.

Os governos de ambos os Estados mantém, todavia, o interesse no aprofundamento das relações bilaterais entre si, que reconhecem serem “excelentes”. Foi, precisamente, no âmbito deste reconhecimento que o Presidente da República, João Lourenço, condecorou nesta quarta-feira, no Palácio presidencial, o seu homólogo português com a Ordem Agostinho Neto.

A ordem honorífica, em forma de medalha e de diploma, destina-se a galardoar ou distinguir, em vida ou a título póstumo, os cidadãos nacionais ou estrangeiros que se notabilizaram por actos excepcionais. Trata-se, pois, da mais alta condecoração do Estado angolano.É constituída por um único grau e é concedida, em particular a chefes de estado e de governo, líderes políticos e outros indivíduos de renome.

Entre os condecorados com a Ordem Agostinho Neto estão Nelson Mandela (1990), José Eduardo dos Santos (1991), Kenneth Kaunda (1992), Omar Bongo (1992), Aristides Pereira (1992), Denis Sassou-Nguesso (1992), Robert Mugabe (1992), Quett Masire (1992), Joaquim Chissano (1992), Manuel Pinto da Costa (1992) e Fidel Castro (1992).