«Voltar

JUVENTUDE ANGOLANA CHAMADA PARA TRANSFORMAR O PAÍS

A capacidade e criatividade interventiva da juventude no processo de desenvolvimento do País foram referenciadas esta quinta-feira, dia 10, pela Presidente em Exercício da Assembleia Nacional, Deputada Joana Lina Cândido, por ocasião da realização do I Encontro das Plataformas Juvenis Angolanas.

Ao discursar na abertura do evento, a Deputada Joana Lina Cândido mencionou que a formação de uma cultura de cidadania inclusiva e participativa serviu como eixo fundamental do encontro, que objectivou o reforço do diálogo com as gerações anteriores, “protagonistas das maiores epopeias do nosso Povo”.

A Presidente em Exercício da Assembleia Nacional deu mérito aos jovens pela consolidação da paz, da concórdia e da reconciliação nacional e apontou as Eleições gerais de Agosto de 2017, como uma prova de que o Estado Democrático e de Direito tem estado a ser consolidado, apesar da democracia angolana ser ainda jovem na sua essência, tanto no seu percurso para o seu fortalecimento, quanto na composição etária dos seus cidadãos.

A diversidade de gerações representadas na Assembleia Nacional foi referida por Joana Lina Cândido, como uma riqueza para a construção da paz e da democracia, uma vez que cada geração carrega consigo várias e diferentes experiências.

“Por esta razão, este é o local certo para estabular-se o diálogo entre gerações e sem preconceitos de qualquer natureza”, aludiu a Deputada.

Joana Lina Cândido disse que é preciso investir na juventude para que essa tenha perspectivas de progresso e desenvolvimento pessoal, emocional e profissional, sem limitações, no espaço cultural, político, económico, social e cívico.

Uma chamada de atenção foi feita para o desenvolvimento tecnológico como a causa do aparecimento de comportamentos ambivalentes no seio da juventude, que instam o poder público a encontrar respostas conscientes.

MAIOR DIÁLOGO ENTRE GERAÇÕES

A parlamentar também alertou para o compromisso com a pátria, que sempre caracterizou a vida da juventude, mas que ocupa cada vez menos espaço entre os jovens, o que hoje dificulta a conciliação entre a liberdade e a obediência. Este facto “ exige um maior diálogo e compreensão entre gerações para perceber melhor os valores de cada época”, realçou.

Há necessidade de conformação entre as políticas públicas e as novas formas de representação da juventude. Estas devem situar-se na linha de frente da produção de novas representações e utopias.

“As diferentes visões sobre a juventude devem encontrar espaço de acomodação nas políticas públicas e no campo da promoção das práticas juvenis, pois começa a registar-se mudanças significativas nos paradigmas de participação dos jovens”, advogou a também 1ª Vice-presidente da Assembleia Nacional.

Para Joana Lina Cândido, as Plataformas Juvenis e as associações são espaços privilegiados de representação e organização da participação da juventude, que atendem à sua pluralidade nas suas diversas formas de expressão, unindo os jovens em torno de objectivos comuns.

“Elas são fundamentais para o fortalecimento do papel da juventude na construção de uma sociedade fundada na justiça social. São espaços de excelência para o diálogo, para aprender a relacionar-se com os outros, a conviver, desenvolver relações de confiança, de inter-ajuda e de solidariedade, de amadurecimento e crescimento e a agir colectivamente, bem como partilhar ideias e sonhos”, reiterou.

Apesar da conjuntura adversa que Angola atravessa, a Presidente em exercício do Parlamento deixou palavras de encorajamento e esperança para os jovens e estimulo-os a serem protagonistas das transformações económicas e sociais do País.

“Precisamos de uma liderança juvenil transformadora, não só por ser uma questão estratégica e de capital importância, como também pelo papel preponderante que ocupa na promoção e consolidação das mudanças sociais, em geral, e, em particular, dos adolescentes e jovens”, encorajou.

Outras palavras de incentivo foram dirigidas aos cerca de 50 jovens presentes no I Encontro das Plataformas Juvenis Angolanas, promovido pelo Parlamento, “contamos com o vosso saber, inteligência e talento e criatividade nesta ingente e árdua tarefa de uma Angola que aspira o desenvolvimento e prosperidade”, concluiu a Deputada Joana Lina Cândido.