«Voltar

FAO PRETENDE ERRADICAR A FOME EM ANGOLA ATÉ 2030

A 2ª Vice-presidente da Assembleia Nacional, Deputada Suzana Augusta de Melo, recebeu nesta quarta-feira, em audiência, a representante da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura(FAO) em Angola, Gherda Barreto, com quem abordou questões ligadas à cooperação entre Angola e a organização, com incidência para a segurança alimentar e nutricional.

Com base nos objectivos da Agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável, a FAO pretende erradicar a fome em 2030, para tal, são necessárias políticas e programas com abordagem multi -setorial de todas as áreas da sociedade, afirmou a representante da FAO em Angola.

“Estamos a trabalhar com o governo para erradicação da fome em Angola até 2030. Para isso, precisamos desenvolver acções com muitos actores, a grande prioridade é fortalecer o marco normativo para termos a disponibilidade de alimentos, assim como o seu consumo e a estabilidade na sua produção. Pensamos que neste sentido o Parlamento tem leis que podem permitir o alcance destes objetivos a médio e longo prazo”, referiu

Gherda Barreto sublinhou, no entanto, que todos têm direito a uma alimentação adequada, segura, suficiente e nutritiva.

Para Presidente da 3ª Comissão de Trabalho Especializada do Parlamento, Deputada Josefina Pitra Diakité, disse que além da FAO pretender alcançar a meta fome zero e da segurança alimentar, o encontro serviu também para troca de impressões sobre que apoio a FAO necessita da Assembleia Nacional, enquanto órgão legislativo, na implementação da agenda de desenvolvimento sustentável 2030.

“A Fao já está a realizar alguns projectos em Angola e a esse respeito gostariam que os deputados visitassem os projectos no terreno para podermos estabelecer uma parceria que pode conduzir, eventualmente, a criação de uma frente parlamentar contra a fome em Angola.”

A responsável adiantou ainda que neste projecto os poderes Legislativo e Executivo devem andar de mãos dadas porque segundo informou a representante da FAO a sua organização já tem trabalho com o Executivo para uma sensibilização sobre o perigo que representa a fome no crescimento de uma nação.