«Voltar

EMPRESÁRIOS PORTUGUESES VÃO REGRESSAR A ANGOLA

A informação foi avançada esta sexta-feira pelo Embaixador de Portugal acreditado em Angola, Pedro Maria Santos Pessoa e Costa, à saída da audiência que lhe foi concedida pelo Presidente da Assembleia Nacional, Fernando da Piedade Dias dos Santos.

Questionado sobre se a propagação do novo coronavírus poderá ter impacto nas relações entre os dois países, Pedro Pessoa e Costa sublinhou que existe a “consciência esta nova realidade afectará sim algumas áreas de cooperação, mas acredita-se que sejam impactos mínimos.”

“Esta pandemia trouxe-nos medos, mas também a coragem para enfrentar esses mesmos medos. A título de exemplo, o regresso de alguns empresários que têm aqui os seus negócios é um assunto delicado que deve ser trabalhado da melhor maneira possível, cumprindo naturalmente com todas as medidas de prevenção em vigor, no que diz respeito à apresentação de testes e a quarentena para que esta classe regresse rapidamente à Angola em segurança, dando continuidade a todo o trabalho que ficou estagnado”, disse.

Quanto às relações parlamentares que unem as duas nações, o recém-empossado embaixador português reconhece que estão no bom caminho, “mas existe sempre a possibilidade de melhorarem ainda mais”.

A relação diplomática entre Angola e Portugal data de Março de 1976 e tem sido aprofundada e consolidada com a assinatura de diversos instrumentos jurídicos, para impulsionar o intercâmbio bilateral.

Licenciado em Direito, Pedro Maria Santos Pessoa e Costa iniciou funções na carreira diplomática portuguesa em 1988 e já foi embaixador de Portugal no Panamá e na Costa Rica.

Exerceu ainda funções diplomáticas na CPLP, no Secretariado Ibero-Americano, assim como postos nas missões diplomáticas portuguesas em Londres e no Conselho da Europa.

Foi igualmente vice-presidente da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP) e adjunto diplomático de vários membros do Governo de Portugal.

Portugal é um dos principais parceiros comerciais de Angola, com forte presença de empresas lusas nos sectores da construção, banca, exportação de produtos alimentares e bebidas. Já Angola é um dos principais investidores em Portugal, com actividades que vão desde a energia às telecomunicações e a banca.