«Voltar

CASA DAS LEIS ABRE ÀS PORTAS PARA SESSÃO FORMATIVA

A necessidade de capacitar os representantes do povo, com conhecimentos actuais, levou a Assembleia Nacional a abrir às suas portas pela primeira vez, desde o surgimento da pandemia Covid-19, para uma sessão formativa.

Promovido pela Comissão de Cultura, Assuntos Religiosos, Comunicação Social, Juventude e Desportos da Assembleia Nacional (7ª CTE), o Seminário de Capacitação dos Deputados, que marcou o regresso das acções formativas foi realizado nesta segunda-feira, dia 22, e contou com temas ligados as áreas representadas pela respectiva comissão.

O Presidente da Assembleia Nacional, Fernando da Piedade Dias dos Santos, a quem coube a responsabilidade de abrir a sessão formativa, aplaudiu a iniciativa, reafirmando a necessidade de habilitar os parlamentares com conhecimentos actuais, que lhes permitam desempenharem as suas funções de modo mais actuante, eficaz e eficiente.

Versando sobre os assuntos a serem ministrados, Fernando Dias dos Santos salientou a necessidade de se fazer um resgate cultural.

“A cultura é a identidade de um povo e sem ela não nos podemos orgulhar de ter uma identidade. Por razões que não importa aqui referir, perdemos muitos dos traços que caracterizam a nossa cultura, mesmo antes do advento da Covid-19. Resgatar os nossos valores, os valores da nossa cultura, é um imperativo ainda actual”, afirmou. Por outro lado, o líder parlamentar apelou para a importância de voltarmos as nossas tradições.

“O tempo convoca-nos para esse regresso, sob pena de os elementos da aldeia global ocuparem um lugar na nossa cultura e a deturparem. Precisamos de voltar com urgência porque existe o risco de perdermos os rastos dos depositários orais da nossa cultura, que se encontram em idade avançada”, reafirmou.

O Presidente do Parlamento alertou ainda para a necessidade urgente de se catalogar e registar a nossa cultura, uma vez que ela está assente fundamentalmente na tradição oral, de modo a conservar a sua originalidade, variedade e riqueza e então consolida-la e transmiti-la às novas gerações.

Quanto ao sector da Comunicação Social, o Presidente da Assembleia Nacional destacou os progressos e conquistas no domínio da modernização tecnológica dos órgãos de comunicação social e da sua expansão no território nacional. Elogiou ainda a forma pedagógica assumida pela Entidade Reguladora da Comunicação Social de Angola (ERCA), que vem enfatizando a necessidade de uma ética e deontologia próprias, no exercício da arte de comunicar.

DESAFIOS DO SECTOR DA COMUNICAÇÃO SOCIAL

Contudo, Fernando Dias dos Santos chamou atenção para os desafios que o sector ainda enfrenta, no que toca a ética profissional, tendo em conta a variedade dos veículos de comunicação existentes, as facilidades e a velocidade da transmissão e de conteúdos.

“Neste sentido, não posso deixar de assinalar a tentação do aproveitamento menos indicado de tais veículos, por parte de alguns, que se aproveitam das vantagens que oferecem essas tecnologias de informação para denegrir os outros. Têm sido bastante abundantes na nossa sociedade, episódios com esse desafio, que colocam em confrontação a liberdade de informação e as liberdades individuais”, lamentou.

O líder parlamentar referiu que a regulação, com a aprovação de diplomas legais, contendo soluções progressistas foi uma das soluções encontradas para resolver essas questões. Admitiu, entretanto, ter consciência das dificuldades na implementação das medidas de políticas resultantes destes mesmos diplomas. Contudo, assegurou que o trabalho continua e que a Assembleia Nacional mantém as portas abertas para colher experiências.

Ao falar sobre a juventude, Fernando Dias dos Santos disse que, tal como foi com a geração passada que conquistou a independência, espera-se igualmente que a actual geração de jovens seja vitoriosa. Porém, em campos de batalhas diferentes do passado, referindo-se a independência económica do país.

“São convocados para o empreendedorismo juvenil, onde devem despontar startups que venham massificar e democratizar ainda mais o acesso a informação e formação cultural da nossa gente. O país precisa do esforço combinado e organizar todas as forças vivas, trazendo a ribalta iniciativas formais, geradoras de emprego e de renda”, afirmou.

Ao encerrar, Fernando Dias dos Santos reiterou o compromisso da Casa das Leis com a formação dos deputados, funcionários e agentes parlamentares, exaltando de seguida a competência dos profissionais selecionados para proferir os temas ministrados na sessão formativa.

Os prelectores convidados a partilharem os seus conhecimentos foram o antropólogo Virgílio Coelho, com o tema “A Cultura, Arte e Literatura”, o filósofo Francisco de Castro Maria, com o tema “Proliferação de Denominações Religiosas em África e em Angola”, o jornalista Ismael Mateus, com o tema “Ética e Deontologia do Jornalista”, o também jornalista Reginaldo Silva, com o tema “Imparcialidade dos Meios de Comunicação em Angola”, o economista Alves da Rocha, com o tema “Emprego de Mão-de-obra Juvenil no Mercado Formal e Informal em Angola” e o fisioterapeuta Auxílio Jacob, com o tema “Promoção do Desporto de Rua e do Desporto Escolar”.